Cuidar de idoso pode se tornar carga pesada demais

Antes havia muito mais filhos e a expectativa de vida era bem menor, mesmo assim, geralmente, sempre sobrava para um só cuidar dos idosos da família. Tenho exemplo dentro desta Casa.

Com 12 irmãos, os cuidados diários da minha avó Isabel ficaram por conta da tia Isaura. Vovó morou com ela até seus últimos dias porque as mulheres eram preferidas, visto estarem mais comprometidas com os afazeres domésticos e não terem a obrigação de prover a família para atendimento de despesas.

Com as mudanças sociais decorrentes do aumento da força de trabalho feminina, assim como a queda da natalidade e o aumento da longevidade, houve menor disponibilidade de jovens dispostos a adiar projetos pessoais e a postergar objetivos profissionais para atender às exigências da situação.  Quem explica o cenário é a pesquisadora Maria Luisa Trindade Bestetti, professora do curso de Gerontologia da Universidade de São Paulo.

Outro exemplo que pode ser ilustrado pela Casa: embora tenha convivido com 12 irmãos, meu pai me criou sozinha.  E – como filha única – não sinto que venha desempenhando bem o meu papel de cuidadora.

Mas faço o que posso. Mudei-me para o interior e estou perto deles.  Algo só possível graças à tecnologia. A internet me permite trabalhar em home office e controlar pai e mãe por celular no dia a dia.

Mas mesmo tendo irmãos, tenho algumas amigas que enfrentam as mesmas dificuldades que eu porque os “meninos” moram no exterior ou não tiveram como se adaptar a essa nova realidade por motivos vários como financeiros ou profissionais. Dados do National Center on Caregiving (Centro Nacional de Cuidadores) mostram que em 66% dos casos ainda são as mulheres que assumem esse papel.

Há ainda outro ponto que é o custo imobiliário que condiciona a gente a viver em espaços cada vez menores e leva muitos a optarem pelos residenciais para idosos, os novos e melhorados asilos. Não que isso seja ruim, embora ainda muito criticado. Leia também “Moradia compartilhada melhora qualidade de vida”.

Lembro-me de que um dos atritos de quando me mudei para cá nesse começo de ano foi exatamente esse: apesar de certas dificuldades, meus pais precisam ter privacidade dentro de um cantinho só deles.

Claro que há quem questione as razões para essa decisão.  Mas é preciso refletir se todos estão preparados para cuidar dos pais,porque a corrida por sobrevivência torna o tempo escasso.  

Talvez o motivo mais significativo seja a falta de informação sobre as características da velhice, a ponto de deixar esses cuidadores acovardados diante da perspectiva da dependência, conforme escreve Silvia Helena Americano, no Portal do Envelhecimento*. Ela diz: “Ao envelhecer nos tornamos singulares. É natural da família diante da fragilidade tentar impor necessidades que não são dos nossos pais”.

De fato, ouve-se que os conflitos intergeracionais surgem principalmente quando os hábitos são diferentes, fato recorrente no ambiente doméstico onde o compartilhamento de espaços comuns acaba por provocar a busca pelo consenso, nem sempre fácil de encontrar.Se houver diálogo, pode ser assimilado sem cobranças, mas a certeza de procurar a melhor solução pode comprometer as decisões coletivas”, afirma Maria Luisa, em artigo ao Portal Plena*, parceiro do Casa de Mãe Blog.

O que ela nos mostra é que é preciso entender o tempo do outro e relevar as mágoas para ser capaz de cuidar. Mas por mais que a tarefa seja assumida de bom grado, há muito estresse em cuidar de uma pessoa querida dependente.

É uma carga pesada, que frequentemente leva o cuidador a abrir mão de sua qualidade de vida para atender às necessidades do outro. Fórmula certa para gerar não só estresse intenso, mas exaustão e até problemas de saúde.

Pesquisando sobre o assunto encontrei um excelente material no HuffPost* e tomei a liberdade de compartilhá-lo aqui com alguma edição e os devidos créditos. Assim, destaco alguns pontos que podem ajudar quem, como eu, tem de lidar com essa nova rotina.

Não encare a tarefa sozinho.

Peça ajuda. Se a pessoa que precisa ser cuidada é seu pai ou sua mãe, todos os irmãos precisam ajudar,independentemente de onde vivem ou de sua situação financeira. Quando os irmãos não dividem a carga, surgem ressentimentos entre eles, e as relações de família podem deteriorar rapidamente. Se não tiver irmãos, paciência! Conte com outros membros da família e amigos mais íntimos.

Lembre-se que seu trabalho tem valor.

Somos uma nação de pessoas que associam seu valor ao que ganham monetariamente, e cuidar de idosos com frequência é um trabalho que não é pago. De acordo com um estudo do Instituto de Políticas Públicas da AARP (Associação Americana de Aposentados), em 2009 os serviços de cuidadores foram avaliados em US$450 bilhões por ano. Quanto representa esse valor? É tanto quando as vendas conjuntas das três maiores montadoras de carros dos EUA (Toyota, Ford e Daimler: US$439 bilhões) e quase tanto quanto o PIB de 2009 da Bélgica, a vigésima maior economia do mundo.

Não abandone seu trabalho principal.

Um problema muito concreto enfrentado por cuidadores é que as empresas para as quais eles trabalham podem não ter ideia do que envolve cuidar de idosos. Você precisa de tempo para levar sua mãe ao médico e esperar enquanto ela faz uma ressonância magnética. Você usa o horário do almoço para buscar os remédios dela da farmácia. Durante o dia você precisa fazer ligações para saber como seu pai está indo, para conversar com o médico dele e discutir com o Medicare. Sem um horário de trabalho flexível, alguns profissionais não têm outra escolha senão abrir mão de seu emprego. E ao deixar de trabalhar antes do previsto, você pode estar colocando sua própria aposentadoria em risco.

Ingresse numa rede de apoio – e procure um mentor.

Embora seja ótimo conseguir sair de casa e encontrar seus amigos, nem sempre é o caso de desabafar com eles. O tempo que você passa com eles deveria ser para você se divertir um pouco e pensar em outra coisa. Não é que você não possa fazer confidências ou consultas para saber outra opinião, mas talvez seja melhor deixar para reclamar de seu irmão que não quer ajudar ou do Medicare, que o está deixando maluco, em um grupo de apoio. Quando você tem uma noite de folga, procure usá-la para se divertir. Não leve o estresse de carona. E afinal, sempre tem o Casa de Mãe Blog, criado para compartilhar dilemas e soluções. 🙂 Sinta-se à vontade para me contar aqui o que você quiser!

Encontre modos de comunicação coletiva.

É claro que todo o mundo quer saber como foi a cirurgia da mamãe e se ela está se recuperando bem. Mas você não tem tempo para fazer um relatório longo ao telefone com cada um da família. Além disso, repetir a mesma história várias vezes é altamente cansativo. Use um site como CaringBridge para comunicar-se com todos ao mesmo tempo. E leia os comentários e os votos de recuperação rápida quando for o melhor momento para você.

Encontre o lado positivo oculto no que você está fazendo.

A Caring.com diz que 75% dos cuidadores informam sentir orgulho por estarem fazendo uma diferença positiva na qualidade de vida de um ente querido. Curta os momentos que você tem na companhia de seu familiar idoso, procure maneiras para incluí-lo em suas rotinas diárias e em encontros com outras pessoas. Crie o maior número possível de memórias.

*Com Portal PlenaPortal do Envelhecimento e HuffPost.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s